Publicações

O equilíbrio das finanças da serventia: equipe de trabalho - por Talita Caldas

A gestão de pessoas interfere diretamente na qualidade financeira. Ela é um custo, mas sobretudo, um investimento que o cartório (e nenhuma organização) existiria sem. Hoje vamos falar da equipe de trabalho.

O que não é medido não pode ser controlado e, por incrível que pareça, muitos cartórios não monitoram por indicadores a produtividade dos seus empregados.

Quem pensa que mede produtividade porque sabe que o tempo de atendimento ao público é menor que 15 minutos está enganado. Esse indicador mostra o tempo de espera do cliente final, mas não mostra por exemplo, a qualidade do ato jurídico realizado.

Quais são as principais falhas que ocorrem na sua serventia? O quanto investir em controle reduziria seu custo com retrabalho (tempo, recursos financeiros, humanos e materiais)? Essas são as perguntas que todo titular deve se fazer.

É a equipe que compõem a parte intelectual do cartório e promover a gestão adequada de pessoas também é uma tarefa que precisa ser controlada financeiramente como custo e como investimento.

Como custo porque a folha de pagamento é a maior conta do cartório. E como investimento, porque dependemos delas para operacionalizar o dia a dia, e é na interação com os mais envolvidos que começamos a “pensar fora da caixa”, sempre em busca da melhoria contínua.

Particularmente falamos que as pessoas preocupadas com o futuro têm a “3ª visão”. Você sabe quantos funcionários têm assim? Quanto próximo você está dele? Quais investimentos tem feito em sua equipe? E qual o retorno deles?

Referência: CALDAS, Talita / SCIASCIA, Daniela. Como Melhorar as Finanças do seu Cartório? Aprenda Passo a Passo. 2017. 29 p. Ebook no website www.tac7.com.br.

*Talita Caldas é Sócia Diretora da Tac7.

Fonte: CNB/SP

11/10/2017